Home » Todas as notícias » Câmara de Taboão aprova abono de R$ 200 para ADIs, ADEs e outras categorias; grevistas criticam medida

Câmara de Taboão aprova abono de R$ 200 para ADIs, ADEs e outras categorias; grevistas criticam medida

Por Allan dos Reis, no Jardim Maria Rosa

A Câmara de Taboão da Serra aprovou na madrugada desta quarta-feira, dia 25, a proposta de abonos salariais encaminhada pelo prefeito Fernando Fernandes que vai beneficiar algumas categorias do funcionalismo que recebem baixos salários. O valor que será pago varia entre R$ 100 a R$ 200 e passa a vigorar a partir do dia 1º de julho. As ADIs (Assistente de desenvolvimento Infantil) e ADEs (Assistente de Desenvolvimento Escolar) são duas das categorias beneficiadas. Atualmente elas recebem menos de R$ 800 por mês. Os vereadores Luiz Lune (PC do B) e Professor Moreira (PT) votaram contra o projeto.

Com dois votos contrários, Câmara de Taboão aprova projeto do prefeito Fernando que estabelece abono salarial para algumas categorias de servidores.

Com dois votos contrários, Câmara de Taboão aprova projeto do prefeito Fernando que estabelece abono salarial para algumas categorias de servidores.

A medida é uma tentativa do prefeito para encerrar a greve dos servidores – especialmente da educação – que estão parados a 20 dias. Os grevistas acompanharam a sessão e criticaram a proposta.

Professor Seguro do Siproem critica a proposta de abono.

Professor Segura do Siproem critica a proposta de abono.

“O prefeito acabou diferenciando as categorias com um abono diferenciado. Não queremos abono porque não nos pertence e a qualquer momento ele pode tirar. [O abono] Não incide sobre as nossas aposentadorias, nossas licenças, sobre os nossos problemas. E no momento que a gente mais precisa de salários, que é na aposentadoria, o abono não nos acompanha e vai ser retirado”, diz o presidente do Siproem, Professor Segura.

A mesma linha seguiu os vereadores de oposição que votaram contra. Moreira apresentou uma emenda aumentando o valor a ser pago, mas foi derrotado nas comissões. “Abono esmola que começa com R$ 200 e vai até R$ 100. […] 95% dos trabalhadores estão fora. É para inglês ver”, bradou Moreira. Já o vereador Lune pediu o fim de medidas “paliativas” e afirma que “a partir do momento que a gente dá esse abono estamos traindo o movimento, que após 18 anos [sem reajuste] conseguiu se organizar”, diz.

Os vereadores governistas foram a tribuna defender a proposta de abono. Porém, muitos deles expuseram suas críticas ao projeto que seria em seguida votado. Eles também fizeram críticas a direção do movimento grevista.

“O projeto vem dentro de um período de negociação e não está encerrado. Esse projeto está muito aquém do que o funcionalismo merece, mas não devemos deixar de votar ele”, disse o presidente Eduardo Nóbrega (PR), que teve longa discussões com os manifestantes que acompanhavam a sessão.

Já o vereador Marco Porta (PRB) destacou a queda na arrecadação do município para justificar a proposta de abono e seus valores. “O que a gente vai votar é pouco, e é mesmo. Mas houve uma queda na arrecadação do município”, explica. Porém, assim que iniciou o seus discurso, os grevistas deixaram imediatamente a sessão e foram embora.

Já do lado de fora da Câmara, a presidente da Atraspacts Sandra Fortes também criticou o abono salarial. “O governo surge com essa proposta de abono sem nos consultar, com a qual nós não temos acordo porque não é para o conjunto do funcionalismo e nem repõe as perdas salariais durante o período”, diz.

Já no fim da sessão, o vereador André Egydio (PSDB) foi a tribuna e declarou que o “projeto é incompleto” e vai cobrar o prefeito para que amplie as categorias beneficiadas. “Quero saber qual foi o critério”, reclamou.

FIM DA GREVE?

Os servidores municipais que estão em greve há 20 dias vão decidir em assembleia na tarde de hoje quais serão os próximos passos dos grevistas. A tendência é que eles aceitem o abono e voltem aos seus postos de trabalho a partir desta quinta (25). Grande parte dos grevistas afirma que não tem mais condições – financeiras e físicas – de manter o mesmo ritmo dos últimos dias.

Servidores em greve na Camara_Jun14

Servidores em greve acompanham a sessão que aprovou abono de até R$ 200 para algumas categorias de servidores.

One Response

  1. J M disse:

    Revoltante. Esses políticos brincam com a dignidade dos concursados. Depois de 18 anos sem reajustes aparecem com abono esmola?

Deixe um comentario

Current ye@r *

© 2013 TABOÃO EM FOCO · RSS · Site por Keone Midia Online