Home » Sociedade, Todas as notícias » Escola Edgard sai às ruas e exige segurança; homem aponta arma para aluno

Escola Edgard sai às ruas e exige segurança; homem aponta arma para aluno

Adilson Oliveira, na região do Pirajuçara, em Taboão da Serra

Com dezenas de faixas e cartazes, apitos e cornetas em uma manifestação ruidosa, alunos da Escola Estadual Edgard Francisco e pais, com participação de professores e diretores, deram basta à onda de violência e exigiram ronda da polícia no entorno do colégio, no Jardim Guaciara, nesta quinta-feira, dia 6. Cerca de 300 pessoas ocuparam a estrada Kizaemon Takeuti sentido Pirajuçara e andaram 1 km até a praça Luiz Gonzaga.

Assalto a alunos e mestres tem sido frequente em frente à escola. No dia 30, porém, revoltou pais, quando jovens foram colocados perfilados por um homem armado e comparsa em moto, que roubaram tênis, celulares e bonés. “Fizeram paredão e levaram tudo. Um aluno só não foi morto porque a arma falhou, mas levou uma coronhada”, contou Gilmara de Souza, mãe de aluno. Um urinou na roupa ao não ter nada de valor para dar.

Alunos, pais e professores caminham pela Kizaemon em protesto contra onda de assaltos na porta de EE Edgard

“É uma vergonha, eles vão para escola com medo”, disse Silmara Marodim, que não teve a filha de 17 anos assaltada, mas saiu às ruas. “Lógico, o que não quero para ela não quero para ninguém”, disse a moradora do Jardim Maria Luiza, que empunhava frase de cobrança às autoridades e crítica às pessoas que estavam passivas – “Enquanto uns querem ‘tchu’ e outros querem ‘tcha’, não temos segurança e queremos estudar”.

“Espero que melhore a segurança, não dá para ir estudar e ser roubado”, disse a aluna Thais, 16 anos. “Corremos risco”, resumiu Ana Cláudia, 12. Ao cobrar policiamento, porém, miraram errado. “Evilásio, queremos atenção!”, puxou o coro uma jovem ao microfone de carro da Apeoesp. Dirigentes do sindicato de professores usavam broches do PSTU, oposição à administração municipal. Segurança é dever do governo do Estado.

Professores na passeata estavam assustados. “Roubaram os celulares e passaram a mandar mensagens para contatos dos alunos de que agora vão atacar professores”, disse uma professora de 34 anos sobre o “arrastão” na quinta anterior, que foi o terceiro assalto só naquela semana. Ela também foi assaltada na porta. “Penso até em desistir das aulas, estou com muito medo”, disse, sem querer se identificar, com voz trêmula.

Na manhã em que uma professora foi assaltada, a ronda escolar foi chamada, mas não foi. No dia seguinte, acionada de novo cedo diante do temor de nova ação, só chegou ao meio-dia. “Estou na escola há quatro anos, a ronda nunca esteve na entrada e saída dos alunos. Um policial disse que só há três viaturas para Taboão inteiro”, disse um educador. A Polícia Militar diz que a ronda ocorre e já identificou criminosos para prender.

Homem ao volante aponta arma para participante da ato público de alunos que tenta impedir passagem de motorista

Uma viatura da PM chegou à escola quando a passeata já tinha partido. A Guarda Civil Municipal acompanhou a marcha desde o início. Ao chegarem à praça, os alunos fecharam a estrada, mas a liberaram meia hora depois, sem planejar novas ações. “A volta da ronda já foi pedida desde o primeiro ofício, em fevereiro, a manifestação foi para forçar uma resposta mais rápida”, disse ao TF Sônia Cristina Santos, vice-diretora da escola.

O ato teve ao menos dois incidentes. Um motorista não teria conseguido seguir pela Kizaemon bloqueada e bateu boca com agente de trânsito e discutiu com GCM. Estudantes o vaiaram. A passeata causou trânsito pela estrada que se estendeu até Campo Limpo. Em caso mais grave, um rapaz com uma faixa ficou na frente de um carro que entrava para um comércio e pressionou o corpo na lataria. Ao volante, o homem apontou uma arma.

10 Responses

  1. Thiago disse:

    Bom, trabalhei na EE Edgard Francisco e posso garantir que a gestão desta escola é muito competente e preocupada com as questões de segurança dos alunos, no entanto, cobrar ações de segurança pública para um educador não é nada mais que exigir que o mesmo ligue para a polícia ou mande ofício, etc! Isso eles já fazem, BO´s pelo que eu saiba são feitos com frequência tanto por professores quanto por alunos, mas realmente nenhum destes meios iniciais foram o suficiente(…)Portanto , resolvendo ou não, as pessoas estão se movimentando e isso é ótimo para toda a comunidade!

  2. Gilmara disse:

    Caro Paulo Sergio. Sera que você foi na reunião da escola no dia 04/09, acho que não. Pois foi solicitado a presença de todos órgãos responsáveis, mas nem um apareceu para dar satisfação. Em tão antes de criticar procure saber o que estar acontecendo de verdade. E o estamos fazendo não baderna e sim chamando a atenção dos responsáveis, quem sabe assim eles nos ouvi. E outra coisa foram registrado vários B.O. sim e a escola está fazendo a parte dela também. Será se você ou um filho seu tive-se sido assalto e humilhado na porta da escola estaria falando assim, acho que não né. E dá uma olhada na foto para ver se temos ou não razão para tudo isso.

  3. Jessika disse:

    , cade a policia ? numa hora dessas ? so as pessoas fazendo paseatas não vai adiantar mt coisa os ladrões vão continuar com os roubos !

  4. Taboao Vivo disse:

    É muita selvageria, homem aponta arma para estudante em pelo protesto contra violência. Onde isso vai chegar? E a dona Analice ignorou os estudantes mais uma vez e não mandou nenhum assessor acompanhar o ato. De Taboão os Fernandes só querem os votos. Parabéns pela foto!!!!!!!

  5. Paulo Sérgio disse:

    Caros amigos, a violência não irá acabar fazendo protestos contra o poder público, protestos esvaziados por serem interpretados como ação política. Contra quem mesmo é o protesto ?
    Agora eu pergunto: Quantos desses protestantes foram à delegacia registrar um B.O. ? Quantas dessas pessoas irão cobrar da diretoria da escola que seja requerida uma cobertura maior por parte da guarda civil ou PM ?
    Quem poderia trocar a baderna pela ato de exercer cidadania, exigir seus direitos e cobrar primeiro da escola para que depois de todos esforços feitos, partir para a Diretoria de ensino ?

  6. thereza disse:

    estou apoiando por que meus filhos estudam nesta escola so assim estes politico ver se toma vergonha

  7. Parabéns pela foto-flagrante do motorista armado a ameaçar o estudante! Fotojornalismo de primeira,
    Parabéns!!!

  8. Fabio disse:

    Esse site é como os outros da cidade, somente existe para divulgar coisas que não desagradem os politicos locais, se o comentário não é favorável, vcs apagam? Imprensa comprada e mediocre.

  9. Fábio disse:

    O nobre cidadão apontou uma arma de fogo para jovens alunos numa passeata contra a violência, foi fotografado pela imprensa e não foi preso? Cadê a policia da cidade?

  10. Dalton Souza disse:

    Segue abaixo o conteúdo do panfleto distribuído durante o ATO.

    A TODA A COMUNIDADE DO JD. GUACIARA.
    Motivados pelo crescimento da violência na porta das escolas, que demostrar o descaso geral do poder público com as nossas necessidades, estamos nas ruas para dizer um BASTA. As péssimas condições do transporte público, passagem do ônibus cara, o pequeno número de médicos nos hospitais, a falta de vagas nas creches e a ausências das mínimas condições para que os alunos possam estudar e os professores trabalharem não podem ser mais toleradas. É por isso que realizamos essa caminhada com professores, alunos e moradores da Comunidade. Não acreditamos em promessas eleitorais e estamos cansados de esperar uma solução que caia do céu, por isso, estamos nas ruas para dizer e demonstrar que o único caminho é a MOBILIZAÇÃO e a LUTA.
    Comissão Organizadora do Jd. Guaciara.

Deixe um comentario

Current ye@r *

© 2013 TABOÃO EM FOCO · RSS · Site por Keone Midia Online