Home » Política, Todas as notícias » Representante da Niasi faz ‘lobby’ com vereadores pela mudança de zoneamento de terreno em Taboão

Representante da Niasi faz ‘lobby’ com vereadores pela mudança de zoneamento de terreno em Taboão

Por Allan dos Reis, no Jardim Helena

Um representante da Niasi faz ‘lobby’ junto aos vereadores para que eles alterem o zoneamento de ZI (zona industrial) para ZM2 (zona mista) no Plano Diretor da área de – de cerca de 48 mil metros – da antiga industria de cosmético na Rua Pedro Maria na região central de Taboão da Serra. Ronaldo de Castro, da empresa RHR & MI Brazil Incorporações e Construções Ltda, se reuniu com os parlamentares logo após a primeira votação na semana passada. A segunda votação deve acontecer na noite desta terça, dia 12.

Antigo terreno da Niasi, localizado próximo a Prefeitura de Taboão, pode vira empreendimento misto entre habitação e comercial. (Foto: Reprodução Google)

Antigo terreno da Niasi, localizado próximo a Prefeitura de Taboão, pode vira empreendimento misto entre habitação e comercial. (Foto: Reprodução Google)

No local, Castro afirma que existe uma ‘carta de intenção’ para que seja construído um empreendimento imobiliário de uso misto, que teria apartamentos habitacionais, salas comerciais e até mesmo um hotel. Seria, segundo ele, um projeto com padrão superior aos outros empreendimentos que já existe no município.

Ronaldo de Castro, que representa os donos do terreno da antiga Niasi, participa de reunião com vereadores para mostrar projeto e pedir alteração do zoneamento.

Ronaldo de Castro, que representa os donos do terreno da antiga Niasi, participa de reunião com vereadores para mostrar projeto e pedir alteração do zoneamento.

“Estou representando a família da Niasi porque a gente está com um trabalho e tentando montar um projeto ali, agradável, diferente, uma coisa nova. Um projeto bem pensando com espaço suficiente para se viver bem, áreas grandes entre os prédios e outros. È um bom padrão, que não tem na cidade ainda. Como é uma área cara, vamos tentar buscar um padrão um pouco melhor para ter um retorno financeiro para isso. Deverá ser algo entre R$ 5,5 mil ou R$ 6 mil o metro quadrado”, informou Castro.

Ele afirma que o projeto ainda depende da mudança do zoneamento para se tornar viável. “A gente estava aguardando os acontecimentos aqui [votação]. Ainda não acabou e tem mais uma votação. Agora que a gente vai aprofundar mais nos estudos. Existe uma intenção em fazer uma parceria com as empresas. A família tem muito interesse. Mas vamos aguardar o resultado da mudança de zoneamento para a gente aprofundar mais”, completou.

O líder do governo Eduardo Nóbrega (PR) afirma que ainda há uma divergência a respeito da área, mas a família dona do terreno se comprometeu a explorar apenas parte do local com o empreendimento.

“Eles acompanharam as audiências públicas e tinham uma perspectiva de fazer exploração máxima daquilo que fosse alterado. Mas eles entenderam a realidade e que o projeto deles ficaria muito melhor se eles buscassem conciliar menos habitação com mais serviços, que a cidade precisa muito mais disto porque gera empregos. Se comprometeram a explorar de 60 a 65% da capacidade fazendo um empreendimento misto. A carta de intenção é muito boa para cidade e bem-vinda”, garante Nóbrega.

O presidente da Câmara, Cido (DEM), também defendeu a mudança do zoneamento da área e comemorou o fato de Taboão ser atrativo apesar da grande densidade demográfica.

“A [área da] Niasi eu vejo que precisa ser mudado mesmo. Não como especulação, mas com projeto que venha oferecer serviço na cidade. Se Taboão da Serra é atrativo para a população vir morar para cá, nós temos que ficar felizes por isso. Quando em um momento de recessão, onde se perde emprego e as grandes empreiteiras estão parando, Taboão ainda tem um olhar e se torna aquela esquina mais famosa de São Paulo”, celebrou Cido, que garante que “tem que se planejar [o empreendimento] com a mobilidade”.

OUTRAS ÁREAS

Além da área da Niasi, os parlamentares também discutem a alteração das áreas da antiga concessionária Sorana Sul e até mesmo de uma igreja que beira a Rodovia Régis Bittencourt. Na primeira votação, também houveram algumas alterações em áreas da chamadas ZEIS para construção de moradias populares.

Na semana passada, MST e outros movimentos sociais comemoraram algumas alterações no Plano Diretor na áreas de Zeis. As mudanças da região central não foram discutidas. (Foto: Cynthia Gonçalves / CMTS)

Na semana passada, MST e outros movimentos sociais comemoraram algumas alterações no Plano Diretor na áreas de Zeis. As mudanças da região central não foram discutidas. (Foto: Cynthia Gonçalves / CMTS)

2 Responses

  1. Terezinha de Jesus disse:

    Em termos urbanísticos, a mudança do Plano Diretor representa mais uma derrota para a cidade, que se não se tornar ainda mais adensada, apenas atenderá uma elite que conseguirá comprar os tais apartamentos de alto padrão.
    Só pra lembrar os empreendimentos do Vida Nova começaram no governo anterior do sr.Fernando Fernandes, e deu no que deu (estrangulamento diário na chegada da BR ao Taboão) e, agora, também sob o governo do mesmo prefeito teremos talvez o mesmo problema, só que no sentido contrário da rodovia, alcançando também a Av.Francisco Morato. Só pra lembrar, ano que vem tem eleição, e com a novidade de ser em 2 turnos no Taboão, então é bom guardar direitinho os nomes do prefeito e desses vereadores!

  2. Por isso que não foi aproveitada esta área para instalação do Poupa Tempo , pois os interesses são bem maiores tanto para os Empresarios quanto para o vereadores , a Prefeitura de Taboão vive pagando Aluguel para instalar sua Dependencias Administrativas enquanto surge dois Imóveis excelentes para acomodar suas Secretarias muitas em Imóveis totalmente sem facil acessibilidade como é o imóvel que ocupa a Secr. de Des. Economico que poderia ocupar o Predio onde era a Sorana Sul .

Deixe um comentario

Current ye@r *

© 2013 TABOÃO EM FOCO · RSS · Site por Keone Midia Online