Home » Sociedade, Todas as notícias » Testemunhas e familiares afirmam que tiro que matou irmã de vice-prefeito de Embu partiu da polícia

Testemunhas e familiares afirmam que tiro que matou irmã de vice-prefeito de Embu partiu da polícia

Testemunhas da abordagem da Polícia Civil a assaltantes que resultou na morte da cabeleireira Silvone Aparecida Carvalho, alvo de bala perdida na tarde de sexta-feira, dia 30 de Março, no Jardim Santo Eduardo, em Embu das Artes, e familiares da mulher afirmam que a vítima levou um tiro que partiu da direção dos policiais. Irmã do vice-prefeito do município, Nataniel Carvalho, o Natinha (PDT), foi atingida quando estava dentro de salão de beleza do qual era proprietária.

Silvone foi ferida próxima à sobrancelha esquerda por bala que transpassou a cabeça e só parou em uma parede, em buraco que abriu. “Quando o assaltante passava em frente ao salão, a viatura encostou, e um policial desceu atirando. O bandido não chegou a atirar”, conta um morador. O criminoso tinha acabado de roubar uma mulher na “saidinha de banco” da Caixa Econômica Federal na estrada Itapecerica a Campo Limpo, três imóveis antes do salão.

O policial teria atirado ao menos outras seis vezes – sobrado do salão ficou com uma marca de bala, a casa do lado, com quatro buracos na fachada, e uma residência depois, com um rombo perto da janela do quarto. Outros três criminosos aguardavam o comparsa em um carro do outro lado da via, mas fugiram ao virem a aproximação da polícia. O local fica a menos de400 metrosdo 36º Batalhão e distante apenas200 metrosde uma companhia da Polícia Militar.

“Foi muito apavoramento da polícia, o tiro que a atingiu transfixou e abriu um grande buraco na parede, é de arma potente”, disse um familiar. Depois de vários disparos, o assaltante foi atingido na perna, mas pelo policial que dirigia a viatura do Denarc (combate a drogas). Foi hospitalizado sem risco de morte. Como envolvia policiais da capital, a ocorrência foi encaminhada ao DHPP (divisão de homicídios). A reportagem não conseguiu contato na sexta-feira.

No velório, o marido precisou ser amparado ao se aproximar do caixão da mulher. Silvone deixa duas filhas, de 15 anos e de 8. Chorando muito, a adolescente ficou transtornada ao entrar na sala onde a mãe estava sendo velada. Convictos da autoria do disparo, familiares e amigos só tinham críticas à ação da polícia em um local de grande circulação de pessoas e comércios. O corpo foi sepultado na manhã deste sábado, dia 31, no Cemitério Valle dos Reis, em Taboão da Serra.

Silvone tinha 37 anos e havia dez mantinha o salão no local. Ela fazia escova em uma cliente quando foi baleada – levada pela Guarda Municipal ao pronto-socorro do Jardim Vazame, chegou já sem vida. “Ela era muito gente boa. Minha cunhada estava no salão dela quando aconteceu. Ela viu tudo, está arrasada”, disse um amigo da família. “Ela não era de ficar conversando com todo mundo, mas era bem tranqüila”, disse uma vizinha que teve a casa crivada de bala.

Por Adilson Oliveira

2 Responses

  1. Espero que o laudo da perícia aponte, realmente, o que aconteceu e a imprensa divulgue os resultados.

  2. Luzia disse:

    Parabéns Adilson pela reportagem! Até agora só tinha lido reporcagens que me deixaram revoltada ao afirmar que ela foi baleada porque foi curiosa e saiu na porta do salão! Ela estava trabalhando! Sou moradora, meu filho toma ônibus em frente do local. A polícia tem que agir norteada pela preservação da vida!

Deixe um comentario

Current ye@r *

© 2013 TABOÃO EM FOCO · RSS · Site por Keone Midia Online