Artigo: O autismo ganhou vez e voz em Taboão da Serra

Vereador Ronaldo Onishi durante evento do autismo

Por Ronaldo Onishi*

Quando iniciei a minha vida política, quis entender quais eram as necessidades da cidade, mas, principalmente, da população. Logo no início do meu mandato algo me tocou e me chamou a atenção. A conversa com famílias de pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA) me despertaram uma vontade incansável de lutar pela causa e criar uma rede de inclusão em Taboão da Serra para essas crianças e jovens, algo que até então não existia no nosso município.

Fui atrás desse ideal e comecei a estudar muito sobre o autismo, além de ouvir as experiências e vivências dos seus familiares, pessoas essas que me ensinaram muito. Comecei a analisar a necessidade de trazer isso para discussão, promover a conscientização e ampliar a mobilização contra o preconceito em favor da inclusão. Esses foram os primeiros passos para iniciar o meu trabalho de implementação de políticas públicas que fizeram e fazem a diferença na vida dessas pessoas todos os dias.

Comecei o trabalho pela área da educação. Sempre ouvi os relatos de pais e mães de autistas sobre a dificuldade na hora de matricular os seus filhos em escolas que ficassem perto de casa. Por isso, em 2013, criei a lei que prioriza a matrícula de alunos deficientes nas escolas mais próximas de suas residências. Foi uma grande vitória. Com a sua aprovação, conseguimos dar o primeiro passo nessa luta.

Ainda no primeiro semestre de 2013, senti que poderíamos ampliar ainda mais a discussão sobre o autismo em Taboão da Serra e englobar diversos setores da sociedade nessa questão. Poderíamos avançar um pouco mais. Novamente, contei com a participação das famílias das pessoas autistas, porque elas, mais do que ninguém, vivem isso todos os dias. Mais uma conquista foi alcançada. Criei e consegui a aprovação de toda a Câmara Municipal em 2014 da lei que instituiu na cidade a Semana da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista. Isso não só promoveu discussões em todos esses anos desde que ela entrou em vigor, como também permitiu que o autismo ganhasse mais espaço e fizesse parte de vários debates que tiveram como principal tema a tão necessária inclusão.

Por fazer parte da política e ter a convicção de que ela é uma ferramenta de transformação social, segui com o trabalho ainda mais forte. Em 2019, antes mesmo da lei virar federal, criei, em Taboão da Serra, a lei municipal que foi responsável pela instituição da Carteira Municipal de Identificação do Autista. Isso garantiu os direitos dos autistas, além de colaborar com a compreensão da sociedade de que ela precisa tratar diferente os desiguais para poder igualá-los.

Nesse mesmo ano, consegui desenvolver um trabalho muito bonito e verdadeiramente especial. O trabalho que já vinha tendo destaque na cidade foi ampliado. Abri conversa com todas as secretarias da cidade e englobei os autistas e suas famílias em atividades culturais, esportivas e educacionais. Foi emocionante observar a alegria de todos eles e saber que eu contribui diretamente com esses momentos que ficarão guardados em minha memória. Conseguimos colocar em prática a inclusão de uma maneira nunca antes feita na nossa cidade. Me orgulho muito disso.

Em 2020, passou a vigorar uma lei de minha autoria baseada nesses projetos. Hoje, Taboão da Serra precisa ter programas que promovam a inclusão de pessoas autistas e suas famílias, além de pessoas com outras deficiências. As áreas da saúde, educação, assistência social, transporte e mobilidade, moradia, cultura, esporte, turismo, trabalho, informação, comunicação e lazer devem ser trabalhadas.

Há ainda o que se fazer. É sempre tempo de avançar e garantir que os anjos azuis tenham cada vez mais espaço na sociedade, mas o meu mandato conseguiu promover a diferença com trabalho, transparência e ações. Em um país em que a cada 110 pessoas, uma possui TEA, segundo o Center of Deseases Control and Prevention (CDC), é imprescindível buscarmos alternativas para incluirmos.

Meu compromisso de lutar pelas pessoas com autismo e suas famílias permanece. Essa é a minha bandeira. Essa é uma luta que nunca deixará de existir. Sempre batalharei pela implementação de políticas públicas afirmativas. Os anjos azuis podem sempre contar comigo.

* Ronaldo Onishi é advogado e vereador em Taboão da Serra

*O artigo não reflete, obrigatoriamente, a opinião do Taboão em Foco.

1 comentário em “Artigo: O autismo ganhou vez e voz em Taboão da Serra”

  1. Fabiana D.Menezes

    Acabei de sair da Secretaria da Saúde.
    Meu filho autista tem 30 anos de puro descaso.
    Todos os equipamentos de atendimento para essa demanda, querem que o autista esteja socializado para ir até o local e obedecer a programação.
    Se não estiver, nada poderão fazer.
    O que é estar pronto?
    Não pode ser agressivo, independente do gatilho de crise que receber.
    Tem que obedecer as regras sociais de frequentar o espaço que é dividido com vários outros autistas, visto que espectro é amplo e todos tem sua forma de existir.
    A mãe deve acompanhar, visto que ela conhece o filho e saberá como anular os gatilhos.
    Também será responsável por traduzir as necessidades dele.
    Vejam que a equipe terapêutica, ocupa o espaço e aplica atividades.
    Apenas isso.
    O demais, deverá estar sobre o controle e responsabilidade da mãe.
    Imagino que sirvam algo para comer e agradar os autistas.
    Deve ser sem glúten e caseína, suponho.
    Como tenho a imaginação fértil, acredito que saibam sobre comorbidades e efeitos dos medicamentos.
    Deve ser sem carboidratos, também.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.