Com baixo nível de reservatórios, Aneel decide que conta de luz ficará mais cara em junho

Por Samara Matos, na redação

A bandeira tarifária do mês de junho será vermelha e de patamar 2 , o mais caro do sistema segundo comunicado da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Isso significa que será cobrado nas contas de luz de todos os consumidores do país um valor adicional de R$ 6,24 para cada 100 kWh de energia consumidos.

O mês de abril marcou o fim do período de transição entre as estações úmida e seca nas principais bacias hidrográficas do Sistema Interligado Nacional (SIN), de acordo com a agência. É a primeira vez neste ano que a agência aciona a bandeira vermelha nível 2. Durante o mês de maio, vigorou a bandeira vermelha 1, que aplica cobrança adicional de R$ 4,16 para cada 100 kWh consumidos.

Essa medida é reflexo do baixo nível de armazenamento de água nos reservatórios de hidrelétricas do Sudeste e Centro-Oeste, que respondem por mais da metade da capacidade de geração do país. De acordo com o governo, o último período de chuvas intensas nas duas regiões, de novembro de 2020 a abril de 2021, foi o mais seco em 91 anos.

ENTENDA AS BANDEIRAS TARIFÁRIAS

A verde indica condições favoráveis de geração de energia, portanto, ela não tem cobrança adicional. A amarela ocorre quando há condições menos favoráveis com a cobrança de R$ 1,34 por 100 kWh. Já a vermelha tem taxa adicional em dois patamares. No primeiro o adicional é de R$ 4,16. No segundo a taxa é de R$ 6,24 a cada 100 kWh consumidos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.