loader-image
temperature icon 18°C

Falso Médico trabalhou por 2 anos no Serviço de Resgate da Régis Bittencourt

Compartilhar notícia

Uma investigação da Delegacia de Investigações (DIG), na cidade de Itanhaém, revelou, no início do mês de Abril, que o enfermeiro Marcelo Penteado, de 46 anos, trabalhou ilegalmente como médico no serviço de resgate da Rodovia Régis Bittencourt, na região de Taboão da Serra. A polícia pediu a prisão do acusado, que está foragido, após descobrir que Penteado também prestava serviços ao Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) na cidade litorânea.

Modelo de ambulância usadas na Rodovia Régis Bittencourt
Modelo de ambulância usadas na Rodovia Régis Bittencourt

A reportagem da TRIBUNA solicitou a empresa Auto Pista Régis Bittencourt, concessionária da rodovia, informações a respeito do período em que o falso médico trabalhou no serviço de resgate. Porém, todos os envolvidos no caso se negam a falar do caso. Mas será que alguma vida foi perdida por causa desta fraude?

A farsa só foi descoberta porque o acusado não quis apresentar os documentos originais solicitados pela prefeitura.

Ele usava documentos do psiquiatra Alexandre Mayer, que trabalha no Samu da cidade de Campinas. O psiquiatra só ficou sabendo do caso no fimm do mês passado com o contato da polícia.

“Tive a sensação de ser assaltado sem armas. Não quero passar por isso novamente. Acho que ele tem que pagar para a Justiça e aqueles que enganou”, disse o psiquiatra ao jornal A Tribuna, de Santos.

Procuramos também o presidente do Conisud, o prefeito de Embu, Chico Brito, que só vai se manifestar após a conclusão do caso.

Outro Lado

A concessionária Auto Pista Régis Bittencourt não quis se pronunciar sobre o caso e diz que a responsabilidade sobre a contratação do falso médico é de responsabilidade da BR Vida, empresa terceirizada que realiza o serviço de resgate na rodovia.

Já a BR Vida pediu para que a reportagem ligasse a um celular com DDD 044, da cidade de Curitiba. Ligamos, mas não conseguimos contato. Até o fechamento dessa edição não houve retorno.

Por Allan dos Reis

Publicado na TRIBUNA Regional

Veja também