loader-image
temperature icon 17°C

Gestante perde bebê após sofrer importunação sexual em Taboão da Serra

Compartilhar notícia

Direto da redação

Uma gestante perdeu o bebê após ser vítima de importunação sexual, no meio da rua, em Taboão da Serra. O suspeito estava em um carro quando pediu informações à mulher. Quando a grávida se aproximou, o abusador abaixou parte das calças e mostrou as partes íntimas. As informações são do SBT News.

Com o trauma, a mulher sofreu um aborto quatro dias depois do crime. Diante da situação, a jovem de 27 anos clama por justiça, para que o abusador seja identificado e preso.

A mulher estava grávida de seis meses. Imagens mostram a ação do criminoso, que por durante um minuto e 40 segundos, tenta chamar a atenção dela.

“Eu estava indo pela ciclofaixa andando, era por volta de meio dia e meia, quando ele parou do meu lado e pediu uma informação, ele perguntou aonde ficava um bairro próximo daqui. No momento em que eu virei pra mostrar que ele tinha que fazer a rotatória, quando eu voltei pra ele, ele já estava com o órgão genital pra fora”, relatou.

Um homem que passou no momento ajudou a vítima, que contou a situação de importunação sexual que viveu, levando-a a um posto onde o marido trabalha.

Quatro dias após o caso, a jovem passou mal e foi ao hospital. Segundo a vítima, não foi observado sangramento, dor ou febre. “Resolvi ir no médico e foi quando eu descobri que ela tinha vindo a óbito. E os médicos me informaram que pelo tempo que ela estava no ultrassom, ela tinha falecido faziam uns três dias”, conta.

O parto foi induzido e a menina foi enterrada. No braço, a única recordação que levará para a vida: uma tatuagem.

O marido da vítima reuniu informações sobre o veículo usado pelo homem e identificou o agressor. Com os dados, o casal foi à delegacia e registrou um boletim de ocorrência. A delegada responsável pelo caso afirmou que o advogado do suspeito foi ao local para agendar depoimento. Há a possibilidade de que outras mulheres tenham sido vítimas do mesmo abusador.

A Secretaria de Segurança Pública de São Paulo afirmou, em nota, que os detalhes do caso são preservados por se tratar de um crime de cunho sexual.

Veja também