Sabesp promete compensar consumidores afetados pelo rompimento de adutora.

SabespA Sabesp compensará, já na conta do mês de referência março, todos os 750 mil moradores afetados pelo rompimento da adutora Teodoro Ramos, na zona sul da capital, no último domingo.  Os clientes terão uma redução correspondente à tarifa mínima cobrada pela empresa de 10m3 (10 mil litros) ao mês, valor a ser calculado de acordo com o tipo de tarifa aplicada. As contas do mês de referência março começam a chegar a partir do próximo dia 4 e poderão ser recebidas até o mês de abril.

Todos que consumiram no período até 10m3 – cerca de 300 mil pessoas – terão conta zero. Os demais 450 mil moradores pagarão apenas a diferença, ou seja, terão o valor dos mesmos 10m3 (10 mil litros) descontados do total de sua conta. No caso de condomínios que tenham apenas um medidor, o cálculo será feito considerando-se todas as unidades: um prédio de apartamentos, por exemplo, terá a compensação do correspondente à tarifa mínima por cada um deles subtraída da conta total. Por exemplo: um prédio residencial de 100 unidades com conta de 1000m3 não pagará nada, já que cada unidade teria um consumo de 10m3.

Esse tipo de iniciativa já foi adotado em circunstâncias similares, como em Franca, em razão do rompimento de uma adutora em 2008, no Jardim Romano e Itaquaquecetuba, em dezembro do ano passado, e em São Luiz do Paraitinga, em fevereiro deste ano, sempre como forma de compensar os consumidores afetados pelo ocorrido.

Categorias

A redução no valor da conta dependerá da categoria (residencial, industrial, entidade pública e comercial) e do tipo de tarifa (social, normal, entre outros). Um consumidor residencial normal, conectado à rede de água e esgoto, por exemplo, terá uma compensação de R$ 27,28. No caso de um consumo de 15 m3, a conta normal seria de R$ 48,58; com a redução essa conta passará a ser de R$ 21,30, ou seja, 56% a menos.

As regiões afetadas parcial ou integralmente em São Paulo foram Butantã, Pirajuçara, Vila Sônia e Morumbi. Em Cotia, a Granja Viana, além de parte de Taboão da Serra e Embu, nos bairros Santo Eduardo e Vista Alegre. Durante o período, a empresa disponibilizou caminhões-pipa que distribuíram cerca de um milhão de litros de água.
 
Valor da compensação por tipo de tarifa:

desconto 

 

Entenda as tarifas:

Residencial normal:

VALOR ATUAL: R$ 13,64  (até 10 mil litros de água consumidos por mês).

Residencial social:
Possui tarifas inferiores em mais de 60% em relação às da categoria residencial normal. O cliente que tem direito a pagar a social precisa atender aos seguintes critérios:

1- Residência Unifamiliar:

a) Renda familiar de até 3 salários mínimos, ser morador de habitação subnormal com área útil construída de 60m² e ser consumidor monofásico de energia elétrica com consumo de até 170 kWh/mês;
Ou
b) Estar desempregado, sendo que o último salário seja de no máximo 3 (três) salários mínimos, neste caso o tempo máximo será de 12 meses.

2- Habitação Coletiva:

As habitações consideradas sociais, como cortiços e as verticalizadas, tais como Unidade Social Verticalizada resultante do processo de urbanização de favelas.

VALOR ATUAL: R$ 4,62 (até 10 mil litros de água consumidos por mês).
 
Residencial favela: está disponível apenas para os municípios da Região Metropolitana de São Paulo. As favelas se caracterizam por precariedade de arruamento e infraestrutura urbana, além de ocupação irregular do solo e características de construção.

VALOR ATUAL: R$ 3,53 (até 10 mil litros consumidos de água por mês).

A Sabesp lamenta o transtorno causado à população.

Da Sabesp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.