Taboão da Serra precisa melhorar acessibilidade

No dia 21 de Setembro de 1982, após encontro entre os movimentos sociais, foi instituído o “Dia Nacional de Luta da Pessoa Portadora de Deficiência”. Em Taboão da Serra, assim como em outras cidades, o desafio é conseguir melhorar as condições de acessibilidade das pessoas deficientes. Para isso é necessário melhorar o transporte, adaptar os prédios públicos, parques, escolas, hospitais, ruas e ainda lutar contra o preconceito da sociedade.

O Censo de 2000 aponta que mais de 26 mil pessoas, portadoras de deficiências, moram em Taboão da Serra. Porém, sete anos depois, a estimativa é que esse número seja ainda maior. Afinal, a população da cidade continua em um processo de crescimento. Em 2006, moravam na cidade 224.643 pessoas (SEADE). A Organização Mundial de Saúde (OMS) calcula que 10% da população mundial apresenta algum tipo de deficiência. Sendo Mental (5%), Física (2%), Auditiva (1,5%), Visual (0,5%) e Múltiplas(1%).

Para Gian Carlo Arruda, 31 anos, que necessita do auxílio da cadeira de rodas para se locomover, devido a uma Paralisia Cerebral que afetou sua coordenação motora, a cidade não apresenta condições adequadas para o deficiente físico. “Os ônibus circular 2 e 4 demoram muito para passar. Aos domingos eles quase não passam”, alerta Arruda. Ele reclama também que os “bancos demoram muito para abrir a porta”.

E não pensem que as dificuldades dos portadores de deficiências se limitam apenas a isso. Para a vice-presidente e fundadora da Associação Pró-Trabalho Ocupacional de Deficiente (APTO), Elizabeth Ishii, a cidade ainda tem muito a fazer pôr essas pessoas “As necessidades são muitas aqui em Taboão. Mas não adianta falar só em transporte. E saúde?”, pergunta Elisabeth.

A Câmara Municipal da cidade, onde os vereadores discutem e aprovam as leis, é um exemplo (negativo) da falta de acessibilidade. Lá os banheiros não são adaptados, os corredores da sala onde acontecem as sessões são estreitos e o acesso aos gabinetes dos vereadores, para quem utiliza cadeiras de rodas, é impossível porque eles ficam no primeiro andar e o prédio não tem elevador. A Câmara promete amenizar, o mais rápido possível, esses problemas. Vai instalar interfones em todos os gabinetes e aumentar o espaço nos corredores.

Escadaria de acesso ao gabinete dos vereadores.

Por Allan dos Reis

Não percam:

  • O que a cidade tem feito para melhor a vidas dessas pessoas
  • Qual a opinião e as solicitações das Ongs e do Conselho Municipal
  • Para quem reclamar?
  • Conheça o trabalho de Ongs que lutam pela inclusão dos Portadores de Deficiências
  • Leia o relatório da “I Conferência dos Direitos da Pessoa com Deficiência” que serviu como base para elaboração do plano de ação enviado ao prefeito recentemente

Este anúncio custou aos cofres públicos municipal a quantia de R$ 1.100,00.