Anuncio de novos prédios da Cooperativa Vida Nova em Embu das Artes leva milhares de pessoas à fila para tentar inscrição

Por Allan dos Reis, no Jardim Maria Rosa

A notícia de que a Cooperativa Habitacional Vida Nova havia assinado a compra de um terreno na divisa de Embu das Artes com Taboão da Serra no início da semana levou milhares de pessoas na tarde desta quarta-feira (27) a formarem fila na sede da cooperativa, que fica na Avenida Vida Nova. Em poucas horas a fila chegou às margens da Rodovia Régis Bittencourt.

Mesmo informado que as inscrições começam apenas no dia 7 de novembro, muitas pessoas passaram a madrugada no local e outros tantos estão passando a maior parte do dia no estacionamento do empreendimento. Algumas pessoas se organizaram para manter a linha de chegada à fila e realizaram pré-inscrição, com o aval dos diretores.

Milhares ficam na fila por horas para tentar se inscrever no novo empreendimento da Cooperativa Habitacional Vida Nova que será em Embu das Artes.
Milhares ficam na fila por horas para tentar se inscrever no novo empreendimento da Cooperativa Habitacional Vida Nova que será em Embu das Artes.

“A Cooperativa vai começar os contratos no dia 7 de novembro”, anunciava Hélio Tristão, diretor da cooperativa, ao longo da fila.  Durante o início da noite, a Cooperativa Habitacional Vida Nova distribuiu um comunicado com os novos lançamentos, que fica no município vizinho de Embu das Artes. Serão dois grupos de prédios sendo dois e três dormitórios.

DOIS DORMITÓRIOS

Nomeado de Residencial Parque Firenze, os apartamentos de dois dormitórios terão 81,45m². É preciso pagar uma taxa de inscrição de R$ 100, mais uma taxa de adesão de R$ 1.000, além de 12 parcelas do terreno no valor de R$ 1.185 e 168 parcelas (14 anos) da construção de R$ 1.090. Os valores da construção são reajustados todos os anos pelo INCC (Índice Nacional da Construção Civil)

TRÊS DORMITÓRIOS

Nomeado de Jardim das Artes, os apartamentos de três dormitórios terão 117m². É preciso pagar uma taxa de inscrição de R$ 100, mais uma taxa de adesão de R$ 1.000, além de 12 parcelas do terreno no valor de R$ 1.610 e 168 parcelas (14 anos) da construção de R$ 1.560. Os valores da construção são reajustados todos os anos pelo INCC (Índice Nacional da Construção Civil).

Este anúncio custou aos cofres públicos municipal a quantia de R$ 1.100,00.