Câmara aprova orçamento de 2021 de Taboão da Serra e oposição ‘engessa’ com emendas primeiro ano do governo Aprígio

Direto da redação

A Câmara Municipal aprovou apenas nesta sexta-feira (8) o orçamento de 2021 da Prefeitura de Taboão da Serra e ‘engessou’ o primeiro ano do prefeito Aprígio (Pode) com aprovação de emendas que dão apenas 0,5% de remanejamento do orçamento e congelam R$ 57 milhões que seriam gastos na saúde e R$ 27,7 milhões da limpeza pública.

As emendas que ‘engessam’ o novo prefeito foram elaboradas pelos antigos vereadores em dezembro e o presidente do legislativo ainda era o vereador Marcos Paulo (PSDB).

As emendas foram aprovadas com os votos favoráveis dos vereadores da oposição: Érica Franquini (PSDB), Sandro Ayres (PTB), Nezito (Republicanos), Gallo (Republicanos), Joice Silva (PTB) e Ronaldo Onishi (DC), além do apoio do atual presidente Carlinhos do Leme (PSDB), que só votaria em caso de empate.

O governo Aprígio chegou a fazer apelo aos vereadores durante a posse. Como os vereadores não aprovaram o orçamento no início da semana passada, o prefeito demitiu os livres nomeados que têm relação com esses vereadores e que não haviam se desligado da Prefeitura no fim da administração Fernando Fernandes.

Além dos valores enviados para reserva de contingência, que totalizam R$ 108 milhões e o prefeito terá que ficar pedindo autorização formal aos vereadores para utilizar, os parlamentares aumentaram gastos da Prefeitura com servidores  como vale-transporte e vale-refeição, e resevaram cerca de R$ 13 milhões de subsídios para implementar o bilhete único em Taboão. Parte dessas emendas foram aprovadas por todos os vereadores.

Agora o orçamento vai para sanção do prefeito, que pode vetar algumas emendas. No início da semana, ainda sem orçamento aprovado, Aprígio assinou decreto para administrar o município com o orçamento de 2020, utilizando mensalmente um doze avôs (1/12).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este anúncio custou aos cofres públicos municipal a quantia de R$ 1.100,00.